top of page
  • Cláudio Taffarel Fogliato

Médicos e clínicas: segredo para pagar menos impostos

Atualizado: 24 de jan.


Uma forma eficaz de reduzir as contas anuais e economizar nos impostos, é saber aproveitar as regras fiscais. No caso de médicos e clínicas, há algumas estratégias que podem ser usadas para obter deduções. Neste artigo, vamos desvendar os segredos desse segmento para pagar menos impostos, atuando na redução da conta anual.


Como médicos e clínicas podem pagar menos impostos?

Para um médico ou clínica pagar menos impostos, existem algumas estratégias que podem ser tomadas. A escolha do regime tributário, por exemplo, pode influenciar significativamente na carga tributária.

Além disso, eles também podem aproveitar as deduções fiscais permitidas por lei, como as despesas com educação e saúde, que podem ser deduzidas do imposto devido.


Regimes tributários para médicos e clínicas

Médicos e clínicas podem pagar menos impostos optando pelo regime tributário mais adequado para sua situação. Existem três opções que estão disponíveis para profissionais dessa área no Brasil: Simples Nacional, Presumido e Fator R.


Simples Nacional

O Simples Nacional é um regime tributário simplificado para micro e pequenas empresas, que permite o pagamento de vários impostos em uma única guia. Ele pode ser vantajoso para empresas com faturamento anual de até R$ 3,6 milhões, já que a alíquota varia de acordo com o faturamento.


Presumido

O regime tributário presumido é aplicável às empresas com faturamento anual de até R$ 78 milhões. Nele, a base de cálculo do imposto é presumida pela Receita Federal com base na receita bruta da empresa, e a alíquota é fixa.


Fator R

O Fator R está dentro do Simples Nacional e é o resultado da relação entre faturamento e folha de pagamento. Assim, se o fator for maior ou igual a 28%, o profissional será tributado com base no Anexo III do Simples Nacional, que inicia em 6%, e se for menor que 28%, a atividade do médico será tributada pelo Anexo V, iniciando em 15,50%.


Pessoa Jurídica X Pessoa Física: qual é a melhor opção?

Apesar de sua importância para a sociedade, “Médico” é uma atividade não permitida como MEI, mas que foi admitida no Simples Nacional em 2015. Com essa mudança, surgiram vários benefícios para os profissionais da área que decidiram se tornar Pessoas Jurídicas (PJ). Ao abrir uma empresa e atuar como PJ, um médico consegue uma economia de até 50% nos impostos.

  • Médico Pessoa Física – Paga de 30% a 40% de impostos sobre os seus rendimentos: 27,5% de imposto de renda em ganhos acima de R$ 4.664,68; 2% a 5% de ISS, com taxa que varia conforme o município; 11% de INSS; e mais taxas sindicais.

  • Médico Pessoa Jurídica – Recebem seus rendimentos mediante a emissão de uma Nota Fiscal: 6% sobre a comissão para ganhos de até R$ 15 mil; ISS incluso nos 6%; e 11% de INSS.

Diante dessa comparação, já é possível perceber que, ao possuir CNPJ e atuar como Pessoa Jurídica, optante pelo Simples Nacional, o médico paga menos impostos, ao recolher as porcentagens acima.


Outra maneira de fazer isso acontecer é buscar orientação profissional especializada em contabilidade e tributação, como a equipe da Inove Contabilidade, que pode ajudar a identificar as deduções fiscais aplicáveis e a escolher o regime tributário mais adequado para a clínica, evitando problemas com a Receita Federal.


É importante ressaltar que a evasão fiscal é ilegal e pode levar a sanções e penalidades, então é fundamental que médicos e clínicas sigam as leis em vigor e mantenham suas obrigações tributárias em dia. Trabalha na área e tem mais dúvidas? A Planexa está aqui para esclarecer!


Planexa Contabilidade Consultiva e Digital Ltda


CRCSC-010302/O


Responsável Técnico: Cláudio Taffarel Fogliato


Contador – CRCSC-040644/O

Comments


bottom of page