top of page
  • Cláudio Taffarel Fogliato

Quanto ganha um programador? E quais seus custos tributários?

Atualizado: 24 de jan.

Se você está considerando se tornar um programador, certamente deseja saber quanto ganharia e quais são os custos tributários da carreira, certo? Este profissional é responsável por criar e desenvolver softwares. Ele utiliza linguagens de programação e ferramentas específicas para escrever linhas de código que instruem o computador a realizar determinadas tarefas. Além disso, um programador também é responsável por testar, depurar e otimizar o código para garantir o bom funcionamento do software. Neste artigo, vamos examinar esses aspectos da profissão, desde quais são os custos tributários para trabalhar até os salários e remunerações que esse profissional pode esperar ganhar.





Qual é o salário de um programador?

O salário médio de um programador varia de acordo com a região, com a experiência e com a empresa para a qual ele trabalha. Mas, em um contexto geral, média salarial é de R$ 5.423,88 para uma carga horária de 42 horas semanais. Mas, claro, há profissionais dessa área que ganham menos ou mais - principalmente os mais experientes.

Em um regime CLT, o teto é de R$13.075,62, sendo que R$5.275,75 é a média do piso salarial de 2023. Essas informações são referentes a dados oficiais do Novo CAGED, eSocial e Empregador Web junto com uma pesquisa realizada pelo portal Salário.


Quais são os custos tributários de um programador ao ter uma empresa?


Ao ser um programador, é importante levar em consideração os custos tributários de ter uma empresa, bem como analisar os impostos que devem ser pagos às autoridades tributárias locais.


Pessoa Jurídica X Pessoa Física: qual é a melhor opção?





“Programador” é uma atividade não permitida como MEI, mas que foi admitida no Simples Nacional em 2015. Com essa mudança, surgiram vários benefícios para os profissionais da área que decidiram se tornar Pessoas Jurídicas (PJ).

Ao abrir uma empresa e atuar como PJ, o programador consegue uma economia de até 50% nos impostos e uma remuneração por serviço prestado até 20% maior do que um trabalhador CLT ou autônomo.Confira o comparativo:

  1. Programador Pessoa Física – Paga de 30% a 40% de impostos sobre os seus rendimentos: 27,5% de imposto de renda em ganhos acima de R$ 4.664,68; 2% a 5% de ISS, com taxa que varia conforme o município; 11% de INSS; e mais taxas sindicais.

  2. Programador Pessoa Jurídica – Recebem seus rendimentos mediante a emissão de uma Nota Fiscal: 6% sobre remuneração de até R$ 15 mil; ISS incluso nos 6%; e 11% de INSS.

Diante dessa comparação, já é possível perceber que, ao possuir CNPJ e atuar como Pessoa Jurídica, optante pelo Simples Nacional, o programador paga menos impostos, ao recolher as porcentagens acima.


Calculadora PJ x CLT


Na prática, o comparativo desses dois modelos de contratação, PJ e CLT, pode ser feito por meio de uma calculadora que, através do cálculo realizado pelo preenchimento de algumas informações, informa em qual das duas modalidades o profissional pagará menos impostos.

Se você quer começar a sua carreira como programador, ou transformá-la, baixe agora a Calculadora PJ x CLT para analisar a diferença exata entre esses regimes de trabalho.

Outra maneira de fazer isso acontecer, é buscar orientação profissional especializada em contabilidade e tributação, como a equipe da Inove Contabilidade, que pode ajudar a identificar as deduções fiscais aplicáveis e a escolher o regime tributário mais adequado para a empresa, evitando problemas com a Receita Federal.

É importante ressaltar que a evasão fiscal é ilegal e pode levar a sanções e penalidades, então é fundamental que os programadores sigam as leis em vigor e mantenham suas obrigações tributárias em dia.

É programador e tem mais dúvidas? A Planexa está aqui para esclarecer!


Planexa Contabilidade Consultiva e Digita Ltda


CRCSC-010302/


O Responsável Técnico: Cláudio Taffarel Fogliato


Contador – CRCSC-040644/O

Comments


bottom of page